‘Batman’ do Acre é preso suspeito de estuprar menina de 12 anos em motel em Rio Branco

26.11.2018 14:53 Por REDAÇÃO ONLINE

Conhecido como 'Batman' do Acre, homem foi preso no trabalho  — Foto: Arquivo Pessoal

Conhecido como ‘Batman’ do Acre, homem foi preso no trabalho — Foto: Arquivo Pessoal

Um homem de 52 anos, conhecido por se vestir do personagem Batman em uma loja de perfumaria, foi preso preventivamente na manhã desta segunda-feira (26) no local de trabalho. O homem é suspeito de estuprar uma menina de 12 anos em um motel na Avenida Chico Mendes, no Segundo Distrito de Rio Branco.

A delegada Elenice Frez, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), contou que o caso ocorreu no dia 25 de setembro. A vítima relatou à polícia que o irmão mais velho a deixou na escola, mas que no dia o professor faltou e ela não teve aula. Ao invés de esperar o irmão até às 12h ela decidiu ir andando sozinha para casa e foi abordada pelo homem no meio da rua.

“Ela contou que ele mandou ela entrar no carro, ela disse que não e ele saiu do carro e a ameaçou com uma faca. A menina, então, foi obrigada a entrar no veículo. Ela foi abordada quando já estava praticamente na frente de casa, estava caminhando para o portão. Ele [suspeito] seguiu para o motel e a estuprou. O corpo de delito confirmou e materializou a consumação do crime”, afirmou.

A vítima relatou ainda que, após o estupro, o homem a abandonou próximo ao estádio Arena da Floresta com R$ 5 para que ela pegasse um ônibus. A vítima contou que, durante o abuso, o agressor afirmou que já tinha feito o mesmo com outras três adolescentes.

A delegada destacou ainda que os motéis de Rio Branco não cumprem a legislação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e não fiscalizam a entrada de menores nos estabelecimentos.

Elenice explicou que os funcionários dos motéis não devem fazer apenas inspeção visual dos veículos, mas pedir a documentação, abrir o bagageiro para ver se não há adolescentes e também checar o banco traseiro em busca de menores que foram obrigados a se esconder.

“Imediatamente após o registro da ocorrência fiz um ofício solicitando as imagens das câmeras do motel. Infelizmente, as imagens eram péssimas e os proprietários, que não fazem a fiscalização, ainda dificultaram a entrega do material exigido”, lamentou.

A Depca, segundo a delegada, investiga vários casos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes que são cometidos em motéis. O ECA afirma que é proibido hospedar crianças e adolescentes em motéis, hotéis, pensões ou semelhantes sem autorização dos representantes legais ou diretamente do juiz de direito.

“É claro que um pai não vai autorizar um filho menor a ingressar no motel. Temos visto vários casos de crianças que entram em motéis sem nenhuma fiscalização. O que se espera é que os donos desses locais cumpram a lei e façam com que seus funcionários exijam o documento de identidade, que fique demonstrado que todos são maiores de idade”, ressaltou.

Vítima relatou à polícia que agressor afirmou que já tinha feito o mesmo com outras três adolescentes  — Foto: Quésia Melo/G1

Vítima relatou à polícia que agressor afirmou que já tinha feito o mesmo com outras três adolescentes — Foto: Quésia Melo/G1

Investigação

Elenice relatou que ao receber as imagens das câmeras do motel não foi possível identificar a placa. O veículo estava com adesivos de candidatos, mas, como as imagens eram ruins, tiveram de procurar panfletos de candidatos que fossem parecidos nas redes sociais. Após acharem, foram até o comitê do candidato e acharam o carro.

Com a placa do veículo, descobriram que o carro estava no nome de outra pessoa. O proprietário informou que havia vendido o carro para uma garagem de veículos e o dono do estabelecimento informou à polícia para quem tinha vendido o carro. Foi então, que a polícia conseguiu identificar o agressor que foi reconhecido pela vítima.

“Com base nesse trabalho visual, conseguimos chegar ao candidato e ao comitê. Depois conseguimos identificar ele e a vítima o reconheceu sem dúvidas por meio de fotografia”, complementou a delegada.

O homem ainda não havia sido preso, pois a Depca conseguiu o mandado de prisão próximo 2º turno das Eleições 2018 e não conseguiu cumprir devido à restrição de prisão de eleitores. Após isso, tentaram novamente prender o agressor, mas ele não foi encontrado.

“Nesta segunda (26), recebemos uma denúncia de onde ele estava. A equipe de imediato se deslocou e nós efetuamos a prisão. A vítima já compareceu à delegacia, fez o reconhecimento pessoal sem nenhuma dúvida ela reconheceu esse cidadão como autor do crime”, afirmou.

Fonte: G1

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.