Em Rio Branco, quatro postos de combustíveis são investigados por descarte irregular de resíduos

02.07.2019 11:27 Por REDAÇÃO ONLINE

Ministério Público instaurou inquéritos civis, nesta segunda-feira (1), para apurar as denúncias de possível dano ambiental.

Por G1


Ministério Público instaurou inquéritos civis, nesta segunda-feira (1), para apurar suposto dano ambiental — Foto: Tiago Teles/Ascom MP-AC

Ministério Público instaurou inquéritos civis, nesta segunda-feira (1), para apurar suposto dano ambiental — Foto: Tiago Teles/Ascom MP-AC

Quatro postos de combustíveis estão sendo investigados por suposto descarte de resíduos sem tratamento na capital acreana, Rio Branco. Após receber denúncias, o Ministério Público do Acre (MP-AC) instaurou inquéritos civis para apurar o possível dano ambiental.

Os inquéritos foram publicados no Diário Oficial do órgão desta segunda-feira (1º). De acordo com o MP-AC, as denúncias foram feitas na Promotoria de Justiça de Meio Ambiente.

Conforme o órgão, a informação é de que está sendo feito o lançamento desse em resíduos de forma irregular porque há problemas na rede de tratamento desses postos, que ficam nos bairros do Bosque, Vila Acre, Aviário e Distrito Industrial.

Em todos os casos, o órgão havia recebido as denúncias há mais de quatro meses. Segundo o MP-AC, como as investigações não foram concluídas, é necessário instaurar um inquérito civil para investigar mais a fundo as denúncias.

Além dos inquéritos, o MP dá um prazo de 30 dias para que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia) informe se os responsáveis pelos postos de combustíveis adotaram as providências necessárias para sanar o problema de descarte irregular.

O secretário de Meio Ambiente de Rio Branco, Aberson Carvalho, afirmou que assim que o órgão for notificado pelo MP, inicia os procedimentos. Segundo ele, o trabalho de investigação é feito em conjunto entre os órgãos.

“Como eles abriram o procedimento investigatório, eles vão querer que a Semeia faça o acompanhamento e a gente vai fazer esse monitoramento. Caso esses postos não cumpram com o que está determinado, a própria Semeia cassa o alvará de funcionamento e o posto é lacrado” disse.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.