Gladson estuda pedir auxílio da Força Nacional e Exército para o Acre

10.08.2019 9:13 Por videos

Apesar dos números de homicídios no Acre terem diminuído em relação ao mesmo período do ano passado, o governador Gladson Cameli estuda pedir auxílio do presidente Jair Bolsonaro para o envio de homens da Força Nacional e do uso de soldados do Exército Brasileiro que estão lotados nos batalhões espalhados pelo Acre para auxiliar o cotidiano da segurança pública.

Cameli afirma que seu governo, desde início da gestão, vem dando prioridade a segurança pública e isso demonstra a redução de 36% do índice de mortes violentas. “Estamos estudando a possibilidade de pedir auxílio do governo federal para a vinda de Homens da Força Nacional e também a liberação do exército. É uma medida dura que deve ser bem pensada. Estamos analisando. Mas hoje eu te diria que existe um possibilidade de 80% de fazermos isso já nos próximos dias”, disse o governador.

Nesta semana, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública divulgou um relatório que destaca a redução de casos de homicídio na capital, Rio Branco, e em todo o estado do Acre.

No comparativo realizado pela segurança pública do Acre e atestado pelo Ministério Público. o número de homicídios ocorridos de 1º de janeiro a 7 de agosto em todo o estado teve uma redução de 36,5% neste ano. O gráfico divulgado mostra que em 2018 houve 274 homicídios neste período, enquanto que em 2019, foram registradas 174 mortes.

Com relação aos homicídios registrados somente na capital, Rio Branco, a secretaria também assegura queda, uma vez que em 2018 ocorreram 157 mortes de 1º de janeiro a 7 de agosto e em 2019 esse número caiu para 113 (redução de 28,03%).

Mesmo com os números aparentemente positivos, a população tem reclamado que a sensação de segurança é inexistente no Estado devido a mortes violentas macabras registradas nos últimos dias protagonizadas com decapitação e execuções em plena luz do dia.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.