Motorista de aplicativo é achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas no AC

04.08.2019 16:52 Por REDAÇÃO ONLINE

Alberto da Silva Souza foi encontrado no quilômetro 12 do Ramal do Mutum, neste sábado (3), em Rio Branco. Polícia acredita em latrocínio já que o carro da vítima foi levado pelos criminosos.

Por G1


Motorista foi achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas em estrada no Acre — Foto: Arquivo pessoal

Motorista foi achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas em estrada no Acre — Foto: Arquivo pessoal

O motorista de aplicativo Alberto da Silva Souza, de 29 anos, foi achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas, neste sábado (3), no quilômetro 12 do Ramal do Mutum, em Rio Branco. De acordo com a Polícia Militar do Acre (PM-AC), a vítima estava desaparecida deste a noite de sexta (2).

O major Kleison Albuquerque, superior do dia, disse que familiares da vítima estiveram no local e contaram que Souza tinha deixado de dar notícias desde 21h de sexta. Eles chegaram a fazer uma campanha nas redes sociais para saber do paradeiro do motorista.

Conforme o major, Souza estava com ferimentos na cabeça e aparentava ter sido morto em outro local e jogado no ramal. A polícia acredita que Souza foi vítima de latrocínio, já que o carro dele foi levado pelos criminosos.

Ao G1 a Polícia Civil informou que os responsáveis pela Delegacia Especializada em Investigação Criminal (Deic) e de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) já iniciaram as investigações e estão em diligências no local do crime.

“Fui no local e a família informou que ele tinha ido fazer uma corrida desapareceu ontem à noite, começaram a procurar e não localizavam. Pela madrugada chegou até a família a informação que tinham visto um rapaz ensanguentado na estrada do Mutum e eles resolveram ir lá verificar e encontraram o corpo”, disse o major.

Ainda de acordo com o major, o carro da vítima já foi localizado no bairro Jorge Lavocat e a corrida teria iniciado no bairro Cidade do Povo.

O corpo de Souza foi levado para a sede do Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavéricos e em seguida ser liberado para a família.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.