Delegado diz que preso do semiaberto morto no Miritizal já vinha recebendo ameaças

06.02.2018 19:39 Por Redação Juruá Online

O delegado Alexnaldo Batista que atendeu o caso de um presidiário morto a tiros e a facadas no Bairro Miritizal, na noite de segunda-feira (5), informou que o detento do semiaberto já vinha recebendo ameaças. De acordo com o ele, Elivaldo da Silva Soares, de 28 anos, não tinha autorização para sair de casa, mesmo assim, teve a residência cercada pelos suspeitos e foi morto a tiros quando tentava fugir para um matagal.

“Pode ter mais gente envolvida, mas a princípio dois suspeitos bateram na porta da vítima, ela percebendo a ação criminosa não abriu a residência, os dois arrombaram a casa e efetuaram disparos, o cidadão ainda tentou se evadir pulando a janela, mas já estava ferido, ao cair ainda foi esfaqueado e teve a orelha direita decepada”, narra Alexnaldo Batista.

A Polícia Civil investiga se além dos dois suspeitos vistos na cena do crime, outras pessoas possam ter participado dando suporte aos executores. Apesar de o crime seguir os mesmos modos das demais execuções, o delegado não citou, neste caso, a guerra entre facções criminosas.

Da Redação

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.