Saúde atesta contaminação em açaí vendido em mercado no AC e orienta população a fazer exames

01.02.2019 14:24 Por REDAÇÃO ONLINE

Secretaria de Saúde fez campanha educativa e exames são para diagnosticar doença de chagas.

Por G1 AC


Saúde atesta contaminação em açaí vendido em mercado no AC e orienta população a fazer exames — Foto: Aldo França/Rede Amazônica Acre

Saúde atesta contaminação em açaí vendido em mercado no AC e orienta população a fazer exames — Foto: Aldo França/Rede Amazônica Acre

A Secretaria de Saúde de Rio Branco fez coletiva na manhã desta sexta-feira (1) convocando a população de Rio Branco, que comprou e tomou açaí dos fornecedores do Mercado Elias Mansour , para que façam o exame de diagnóstico para doença de chagas.

O secretário da pasta, Oteniel Almeida, diz que foram feitas algumas fiscalizações nos boxes do mercado, onde as amostras do local deram positivas para a doença.

A prefeitura de Rio Branco, através Vigilância Sanitária, fez inspeção, no final do ano nos mercados Elias Mansour, do Quinze, Ceasa e pontos de comércio popular do Manoel Julião. Nestes pontos foram levantadas as amostras do açaí e foi identificado qual a procedência do processamento.

As amostras foram satisfatórias na maioria dos estabelecimento, com exceção dos pontos de vendas do mercado Elias Mansour, que fica na área central da cidade. Então, quem tomou açaí desse local entre novembro do ano passado e janeiro desse ano, deve fazer os exames.

Pessoas que consumiram açaí precisam fazer exame para a doença de chagas — Foto: Jorge Abreu/G1

Pessoas que consumiram açaí precisam fazer exame para a doença de chagas — Foto: Jorge Abreu/G1

“Ao fazer o levantamento da amostra nós identificamos fragmentos positivos do protozoário causador da doença de chagas. A prefeitura, seguindo o protocolo, convida toda a população que consumiu açaí oriundo do Mercado Elias Mansour, ou do seu entorno, a realizar os exames necessários para que evite a situação dessas pessoas se agravar caso estejam de fato com esse protozoário”, orienta o secretário.

O laboratório de saúde do Estado, o Lacen, vai fazer os exames em parceria com a gestão municipal. A prefeitura vai fazer a coleta nos postos de saúde e o Lacen vai fazer a leitura das lâminas. O resultado é divulgado em até três dias úteis. O atendimento para esses exames ocorrem das 7h ao meio-dia e das 14h às 17h.

Fiscalização e controle

Até 2010, segundo a Secretaria de Agricultura de Rio Branco, tanto a comercialização como o processamento do açaí eram feitos nos boxes do mercado.

“Quando foi feito a reforma em 2010, foi detectado que os boxes eram pequenos. A Vigilância Sanitária esteve lá, constatou que o espaço era pequeno para comercialização e processamento e foi orientado que o processamento fosse feito em locais apropriados. Então, nos mercados ficou apenas a comercialização”, explica Elysson de Souza, secretário de Agricultura de Rio Branco.

O processamento do vinho da fruta é feito em agroindústrias ou até mesmo de forma artesanal. Na ação desta sexta-feira (1), a equipe da Vigilância Sanitária vai visitar três pontos de beneficiamento que abastecem o mercado. Amostras devem ser colhidas e analisadas.

“A gente sabe que o açaí é um produto feito de forma artesanal, mas deve ser expedido uma certificação que apresenta a origem do produto”, pontua Souza.

Souza também pediu que os comerciantes tenham a iniciativa de procurar o setor para verificar o registro dos fornecedores. “Como medida preventiva também serão realizados exames nos comerciantes do mercado e produtores que possam circular na região e que tiveram algum contato com o açaí, seja a polpa ou outros derivados como sorvete, sucos”, disse o secretário de agricultura.

Saúde faz chamamento para população — Foto: Divulgação

Saúde faz chamamento para população — Foto: Divulgação

A Secretaria de Saúde do município lembrou que a emissão desse certificado e o controle de transporte do produto são de responsabilidade do Instituto de Defesa Agropecuária do Acre (Idaf). Já o controle e inspeção de qualidade cabe à Vigilância Sanitária, que analisa as amostras dos produtos.

“No município cabe a nós fiscalizar a comercialização. O beneficiamento e processamento é o Idaf. Na operação, os proprietários foram notificados e terão que apresentar a origem do produto. No momento da operação três beneficiadores foram identificados e passam por inspeção para identificar se lá tem o registro e os padrões sanitários adequados”, destaca o secretário de Saúde.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.