Tenente do Bope dava droga e munição a membros de facção e recebia dinheiro do crime, diz MP-AC

31.01.2019 15:56 Por REDAÇÃO ONLINE

Policial e mais 22 pessoas foram denunciadas pelo MP-AC por envolvimento com facção criminosa. Processo mostra interceptação entre tenente do Bope e membros de facção.

Por G1 AC


Tenente do Bope dava droga a membros de facção e recebia dinheiro de criminosas, diz MP-AC — Foto: Reprodução

Tenente do Bope dava droga a membros de facção e recebia dinheiro de criminosas, diz MP-AC — Foto: Reprodução

“Antes da droga chegar no coisa (sic), na delegacia, ele já me dava um pedacinho simbólico”. Esse é um trecho do depoimento de Agilberto de Lima, conhecido dentro de um grupo criminoso como Jiquitaia ou Zoio. À polícia, ele explica a relação que tinha com o tenente do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Josemar Farias, que foi preso na Operação Sicário em dezembro do ano passado.

O G1 teve acesso ao relatório do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Nele, o Ministério público denuncia 23 pessoas integrantes de uma facção criminosa que atua no estado.

Farias foi denunciado por promoção de organização criminosa, inclusive, prendendo membros de facções rivais, defesa de territórios sob a influência da facção, por proteger facção da atuação policial, por fornece armas e munição ao grupo criminoso, corrupção passiva e prevaricação.

O tenente conversava, principalmente com Jiquitaia, mas também aparece em contato com mais dois envolvidos, como Antônio Aguiar, conhecido como Neném Rolinha.

No processo, o MP-AC aponta que “durante a investigação, que Farias auxiliava lideranças como Agilberto Soares de Lima, conhecido pela alcunha de ‘Jiquitaia’ (responsável pelo bairro Rosalinda) e Antônio Ferreira Aguiar, conhecido pela alcunha de “Neném Rolinha” ou “Coroa” (responsável pelo bairro Conquista) a manter e expandir seus territórios, seja realizando a prisão de integrantes de facções rivais”, destaca o relatório.

Ainda em depoimento, Jiquitaia cita uma operação do Bope que apreendeu 92 quilos de maconha escondidos dentro de freezer em chácara no Bujari. Ele conta que apontou o local à polícia e recebeu droga por ter ajudado na operação.

“A única vez que eu ganhei uma peça foi quando a gente foi…depois do Bujari. Eles foram pra depois do Bujari e me levaram, no caminho eu fui também, lá eles encheram a baguala do carro de maconha. Pegaram mais de cem quilos de maconha. Aí, quando pensou que não, chegou o tenente Farias com outro carro. A situação já tava toda (gesticula com as mãos em sinal de positivo indicando que a situação já estava resolvida). Aí, o tenente chegou, ai conversou com os rapazes, inclusive com outro rapaz do Bope lá que eu não conheço, só se eu ver. Que é que o pegou o dinheiro o botou no negócio da farda” (sic).

‘Beirinha’

Já com o membro conhecido como Neném, Farias o trata como “primão”. Uma ligação feita em maio do ano passado mostra os dois conversando sobre ações da polícia. O traficante pede que o policial dê uma apaziguada na guarnição.

Neném: – Escuta, o pessoal desse teu, desse mermim (sic) aí, esse teu pessoal mesmo, esse teu. Foram lá naquele rapaz que eu pedi daquela vez, que ele está tranquilo, aí invadiram o barraco dele ontem à noite, ele não estava lá, deram uma pressão doida na mulher dele

Farias: – Ontem?

Neném: – Foi ontem a noite. Aí ele ficou com medo dos caras querer matar ele de graça

Farias: – Não, tranquilo vou dar uma conversada tá

Neném: – Pra dar uma apaziguada

Farias: – Foi ontem num foi?

Neném: – Foi ontem a noite

Farias: – Tá, tá, já eu vejo.

Uma parte do processo mostra que Jiquitaia conta a Farias que teve que usar o nome dele durante uma ação policial que ocorreu na casa dele. “Eu para escapar da morte tive que usar o seu nome e, pela graça de Deus, sobrou um áudio do senhor no meu telefone, aquela moto que o senhor queria pegar pra gente devolver”, diz o suspeito em conversa com o tenente.

Em outra conversa, Neném diz ao policial que está com o dinheiro dele guardado. “Tá bom. Eu estou com teu bicho guardado e a beirinha para tu gastar”, diz o suspeito. O policial responde apenas com: “Tá tranquilo”.

Munições

Em junho do ano passado, uma conversa interceptada com outro integrante chamado de “Cabeça”, Farias fala sobre munições que precisa entregar para ele.

Farias: – Eu estou é com um negócio para passar pra ti

Cabeça: – Do negócio da munição?

Farias: – Sim, vinte de excelência.

O diálogo segue e Farias diz que vai passar a munição para que o suspeito distribua. “Eu vou botar na tua mão e tu distribui”, diz.

Além disso, Farias marca encontro com um dos membros que teria contato direto com o conselho da facção, conhecido como Diogo Oliveira. Nessa questão, ele pede dinheiro para repor material roubado da casa de um outro PM.

Farias: – É o seguinte, bicho, deixa eu te falar, eu estava pensando aqui, ver com o camarada aí se tem como ele dar uns 100 conto pro cara lá para pagar o HT do cara lá, senão eu vou continuar devendo pros caras

Diogo: – 100 conto?

Farias: – É aí paga o HT do cara, porque tem que repor para a polícia.

Diogo: – Ah é, Na hora.

Logo em seguida, os dois se encontram.

‘O tenente é inocente’, diz defesa

Farias permanece preso no Batalhão Ambiental, em Rio Branco. Em entrevista ao G1, o advogado Mários Rosas Neto, que representa a defesa do policial, disse que não há surpresas no que foi apresentado pela denúncia do MP-AC e reforça que Farias tinham os envolvidos em facção como informantes.

“O que foi apresentado nas denúncias são interpretações produzidas pelo próprio delegado de polícia no decorrer da investigação criminal, que essas investigações serão devidamente esclarecidas no decorrer do processo. O tenente é uma pessoa inocente e esse contato com pessoas que pertenciam a facção era porque eram informantes, não tinha relação íntima com ele. Ele também não teve nenhum benefício com essa relação”, destaca.

O advogado finaliza dizendo que Farias está à disposição da Justiça, assim como os sigilos bancários, telefônicos e fiscais.

Operação Sicário

O delegado Alcino Loureiro falou, nesta quinta-feira (31), que a Operação Sicário iniciou no começo de 2018 após o avanço de uma facção criminosa no estado. Esse grupo criminoso estava atuando, principalmente em áreas de fronteira.

“Então, o departamento de inteligência, junto com a delegacia de combate ao crime organizado organizou essa operação para fazer esse monitoramento da entrada de droga e esse avanço, esse domínio do comando vermelho nessas rotas de tráfico em relação as outras facções. Assim começou. A operação inicia cartorialmente antes de abril e depois de abril a gente começou a fazer algumas interceptações telefônicas de pessoas que a gente já vinha investigando e eram protagonistas desses crimes”, explica.

Disse ainda que ao chegarem até o militar, o sentimento foi de decepção, uma vez que o tenente Farias era atuante e parceiro da Polícia Civil.

“Durante esses monitoramentos, identificamos um militar que falava com esses integrantes. E com um olhar mais atento, pra nossa surpresa, descobrimos que era o tenente Farias. Pra nós foi um choque, uma pessoa sempre muito atuante. Sempre com uma parceria muito forte com a DIC, [Divisão de Investigação Criminal], e um apoiador das ações da Polícia Civil. Para nós, foi motivo de decepcionar, tendo atenção maior e ele passou a ser alvo da investigação também”, destaca.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.