Vestidos com farda da PM, bandidos fazem arrastão e matam morador no AC

10.05.2019 14:18 Por REDAÇÃO ONLINE

Arrastão aconteceu na noite de quarta-feira (8) na Transacreana. Vítima tentou fugir ao se assustar com bandidos.

Por G1


Vestidos com farda da PM, bandidos fazem arrastão em comunidade no AC e matam morador — Foto: Arquivo pessoal

Vestidos com farda da PM, bandidos fazem arrastão em comunidade no AC e matam morador — Foto: Arquivo pessoal

Cinco bandidos armados e vestidos com fardas da Polícia Militar fizeram um arrastão em casas que ficam no Ramal Liberdade, Seringal Macapá, na Transacreana, em Rio Branco. Moradores foram feitos reféns por horas e os bandidos, segundo as vítimas, passavam de casa em casa levando objetos.

Agcélio Missiano, de 34 anos, acabou sendo morto a tiros quando tentava fugir dos bandidos. Uma das vítimas, Hermando da Silva, conta que todos os cinco homens estavam armados com pistolas, revólver e espingarda.

O comandante-geral da PM, Ezequiel Bino, disse que ainda precisa ter mais detalhes sobre a ocorrência para apurar o fato de os suspeitos estarem usando fardamento da PM. Mas se comprovada a informação, o comando deve abrir um procedimento para investigar o caso.

De acordo com as vítimas, Missiano foi morto quando se assustou com o grupo. “O que aconteceu foi que chegaram [os bandidos] e disseram que era polícia, ele saltou pela janela, no que ele saltou, eles atiraram nele. Esse rapaz trabalhava com a gente, o irmão dele trabalha como extrativista, não ofendia ninguém e infelizmente, aconteceu isso com ele”, lamenta.

Silva trabalha com extração de campanha, pecuária e comércio. Ele contou que os bandidos chegaram na casa dela se identificando como policiais.

“Entraram na minha casa gritando: ‘a casa caiu, a casa caiu’. Eu fiquei neutro, porque não devo nada pra polícia e achei até que fosse engano. Mas, logo depois vi que não era polícia e um deles já estava com a arma em cima de mim”, contou.

Os bandidos começaram a revirar a casa em busca de dinheiro. Silva contou que só tinha R$ 2 mil em casa da venda de uma castanha, mas a quadrilha perguntou onde ele guardava dinheiro e também queria as caminhonetes da vítima.

Durante todo o tempo, ele foi espancado e amarrado junto com outras pessoas. Ele acredita que tinha entre 10 a 12 pessoas.

“Começaram a me agredir. A me espancar mesmo. Quando me amarraram, me levaram pra um quarto que já estavam outras pessoas, inclusive, um sobrinho meu, porque passaram na casa de um filho meu, mas ele não tava em casa, estava pra cidade, e tinha mais dois irmãos da vítima que mataram antes”, conta.

A todo instante os criminosos diziam que matariam o produtor, caso não entregasse dinheiro e veículo. Após levar tudo que podia, até tampa de fogão, os bandidos fugiram em um quadriciclo.

“Quero pedir que as autoridades olhem mais pela Transacreana. Tem muitos bandidos nesses seringais. Nós queríamos um posto da polícia naquela região que atuasse de verdade. Estamos vivendo um terror, porque a Transacreana é o local mais perigoso. Se você entra ali, já topa com três ou quatro bandidos e estamos vivendo a mercê deles”, desabafa o autônomo.

Facilidade para adquirir farda

O coronel Bino disse ao G1 que ainda não teve acesso ao Boletim de Ocorrência, nem a apuração inicial da Polícia Civil, mas assim que apurada a informação de que os bandidos usavam farda da PM, um procedimento deve ser instaurado.

“Assim que a Polícia Civil tiver isso apurado e essa informação tiver no Boletim de Ocorrência, se as testemunhas disserem olhe eles estavam vestidos com roupas da PM, logicamente que nós temos que abrir um procedimento aqui porque usaram um fardamento privado”, explicou.

Além disso, Bino explica que há uma facilidade para que as pessoas possam comprar tecidos e poder fazer um uniforme semelhante. “Então não temos controle sobre isso, mas o fato é que nós estamos acompanhando”, concluiu.

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.