Me motivo motivando

08.09.2018 13:45 Por REDAÇÃO ONLINE

Me motivo motivando

    Em tempo que o caos e o medo do caos atraem mais caos, ainda somos capazes o suficiente de espalhar bons impactos por aí. Ainda carregamos nas mãos e no coração o poder de escolha que todas as manhãs se converte em promover o bem e ser mais na vida de outros. A partir disso, capitei que desempenhando o que eu amo, com toda a minha dedicação e entrega, posso fazer a diferença. É assim que transforma o mundo. Ou ao menos o mundo de alguém.

Contudo, há quase quatro meses, quando devolvemos o meu PAI avô para Deus eu também morri em vida. Por várias semanas, não me senti partícula desse universo. Perdi totalmente a vontade de fazer o que antes fazia: jogar, escrever, estudar, sorrir… porém, por mais que a pior dor da vida me tomasse profundamente eu não podia largar tudo o que me construí, pois, assim como eu precisei ferrenhamente do meu PAI avô durante 21 anos de minha existência outras pessoas também tinham sede de mim, da minha força e incentivo. Por isso, em memória de vovô e por causa do grande encorajamento que ganho da minha MÃE avó e do resto da família escolhi voltar a me motivar para continuar motivando outros seres humanos.

Essa motivação, no entanto, foi intensificada há algumas semanas quando encontrei uma equipe que se dispôs a me oferecer um maior suporte técnico na Bocha Paralímpica. Assim, é através de uma quadra cedida gentilmente por uma Escola da cidade que o professor Onassis juntamente com os assistentes inclusivos da Instituição e em parceria com a equipe F10 Fenômeno Academia está desenvolvendo comigo um treinamento sério e forte. Além disso, estamos tendo a formidável oportunidade de divulgar ainda mais o movimento paralímpico e inserir mais pessoas nele. Entretanto, é absurdamente extraordinário quando posso compartilhar as minhas vivências de “bocheira” com mais gente, porque, por meio disso tenho mostrado para a Aninha, o Jairo e a Natália que só basta ter vontade e determinação e aí, aos poucos, em cada lance conseguimos ir matando nossas deficiências dentro de quadra para vencermos a nós mesmos.

Porém, particularmente, esse novo desafio que surgiu tem exigido muito de mim e do meu esforço. Têm noites que custo a pregar os olhos por causa das dores musculares que sinto. Preço altíssimo, eu sei! Mas não tem nada não! Eu estou feliz. Sou grata por disfrutar da chance de orgulhar quem me prepara e ajuda em vários setores, enquanto eu motivo e realizo o bem na vida de tantos outros que precisam gerar forças internas para explorar o seu lado perseverante cotidianamente.

Por: Rita Andrade

Notícias Recomendadas

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.