Mulher processa prefeitura de Paris por danos à saúde provocados pela poluição na cidade

12.06.2017 9:27 Por Redação Juruá Online

Foto de 18 de março de 2015 mostra a Torre Eiffel; níveis de poluição em Paris dispararam nos últimos anos (Foto: Franck Fife/AFP)

Foto de 18 de março de 2015 mostra a Torre Eiffel; níveis de poluição em Paris dispararam nos últimos anos (Foto: Franck Fife/AFP)

Uma mulher parisiense está processando o governo francês por “danos provocados a sua saúde” pela poluição do ar e quer uma indenização de 140 mil euros (cerca de R$ 514 mil).

Clotilde Nonnez, uma professora de ioga de 56 anos, diz ter vários problemas respiratórios desenvolvidos durante os mais de 30 anos em que morou na capital francesa.

E que se tornaram mais agudos em dezembro do ano passado, quando Paris teve níveis recordes de poluição.

“Estamos responsabilizando o Estado porque acreditamos que os problemas médicos vividos pelas vítimas da poluição são resultado da falta de ação por parte das autoridades”, disse o advogado de Nonnez, François Lafforgue, ao jornal “Le Monde”.

Lafforgue citou estatísticas para alegar que a poluição do ar mata 48 mil pessoas por ano na França.

A iniciativa de Nonnez não é isolada. Segundo a mídia francesa, outras ações judiciais são iminentes em diferentes cidades do país, como Lyon e Lille.

Paris há anos sofre com os altos índices de poluição do ar, e as autoridades municipais têm instituído uma série de leis para tentar combater o problema. Um exemplo é a multa para carros que não apresentem um adesivo atestando que passaram em um teste de baixas emissões – o “Crit’Air”.

Diversos setores da capital francesa têm restrições ao uso de carros. Um trecho de 3 km da Margem Direita do rio Sena foi convertido em via exclusiva para pedestres.

Apesar de o ar na cidade ter quase o dobro de partículas finas em suspenso no ar (as chamadas PM2.5) do que o índice máximo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Paris está longe de ser a mais poluída da Europa.

Segundo dados da OMS, o ar é bem mais perigoso em cidades da Macedônia, Bósnia e Herzegovina, Polônia e Hungria. Na Europa Ocidental, cidades como Nápoles, Mônaco, Turim, Brescia e Barcelona apresentaram índices de poluição maiores que Paris neste ano.

Nonnez diz que teve uma vida saudável, inicialmente como dançarina e depois professora de ioga, mas que passou a sofrer de problemas respiratórios, da asma crônica a pneumonia. Em dezembro, ela diz ter sofrido um ataque de pericardite – inflamação da membrana que envolve o coração.

“A médica que cuidou de mim disse que o ar de Paris está tão poluído que está apodrecido. Ela tem outros pacientes no meu estado, incluindo crianças e bebês. Meu cardiologista diz o mesmo”, explicou ela ao site de notícias France Info.

No Reino Unido, um grupo de asmáticos vivendo em Londres procurou advogados e, segundo o jornal Guardian, prepara uma grande ação judicial para pedir indenizações. Segundo estatísticas oficiais, 23 dos 28 países da União Europeia têm índices de contaminação do ar acima do limite.

BBC

Recomendado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.